Maioria dos novos medicamentos contra o câncer não apresenta ganhos

Caro e sem efeito

A maioria dos medicamentos contra o câncer aprovados na Europa entre 2009 e 2013 entrou no mercado sem provas claras de que eles aumentem a sobrevivência ou melhorem a qualidade de vida dos pacientes.

A conclusão é de uma equipe do King's College de Londres, que acaba de publicar seu estudo na revista médica BMJ (British Medical Journal).

Courtney Davis e seus colegas mostram que mesmo quando os novos medicamentos apresentaram ganhos de sobrevivência em relação aos tratamentos existentes, esses ganhos foram marginais, geralmente de semanas.

Muitas das drogas foram aprovadas com base em medidas indiretas ("substitutas"), que nem sempre predizem de forma confiável se um paciente viverá mais tempo ou se sentirá melhor, levantando questões sérias sobre os padrões atuais de regulamentação e aprovação de novos medicamentos.

"Quando medicamentos caros, que não possuem benefícios clinicamente significativos, são aprovados e pagos pelos sistemas de saúde com financiamento público, pacientes individuais podem ser prejudicados, recursos sociais importantes são desperdiçados e a oferta de cuidados equitativos e acessíveis minados," escreveram os pesquisadores em seu artigo.

Remédios sem efeito

A equipe analisou relatórios de aprovações de novos medicamentos contra o câncer pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) de 2009 a 2013.

Das 68 drogas contra o câncer aprovadas nesse período, 57% (39) foram colocadas no mercado com base em um elemento final substituto e sem evidência de que estendessem a sobrevivência ou melhorassem a qualidade da vida dos pacientes.

Após uma mediana de 5 anos no mercado, apenas 8 novos medicamentos aprovados no período mostraram ganhos de sobrevivência ou de qualidade de vida.

Dessa forma, de 68 drogas contra o câncer aprovadas pela EMA, e com um acompanhamento médio de 5 anos, apenas 35 (51%) mostraram ganhos de sobrevivência ou aumento de qualidade de vida em relação aos tratamentos existentes ou ao placebo - incluindo os ganhos marginais. Para os restantes 33 (49%), a incerteza permanece sobre se os medicamentos prolongam a sobrevivência ou melhoram a qualidade de vida.

Os pesquisadores descrevem algumas limitações do seu estudo que poderiam ter afetado seus resultados, como a falta de consistência nos dados dos vários centros de saúde e problemas nos próprios estudos clínicos das drogas. Apesar disso, eles concluem que seus resultados aumentam a possibilidade de que os padrões de evidências usados pelas autoridades de saúde "estão falhando em incentivar o desenvolvimento de medicamentos que melhor atendam às necessidades de pacientes, clínicos e sistemas de saúde".


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Câncer

Ética

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.