Seus ossos afetam seu apetite e seu metabolismo

Seus ossos afetam seu apetite e seu metabolismo
A descoberta dos hormônios dos ossos não é a única novidade: Só recentemente se descobriu que nossos ossos se regeneram constantemente e que esse processo logo poderá ser ajudado por um biomaterial de maçã para regeneração de ossos e cartilagens.
[Imagem: Chan Greenbaum et al. - 10.1126/scitranslmed.aah6518]

Hormônio dos ossos

Seu esqueleto é muito mais do que uma estrutura para dar suporte aos seus músculos e demais tecidos: Seus ossos também produzem hormônios.

Há muito tempo se sabe que os hormônios podem afetar os ossos. "Basta pensar em como as mulheres são mais propensas a sofrer de osteoporose quando atingem a menopausa porque seus níveis de estrogênio caem," exemplifica o professor Mathieu Ferron, da Universidade de Montreal (Canadá).

Mas a ideia de que o próprio osso possa desempenhar um papel ativo, afetando outros tecidos graças aos seus próprios hormônios, é muito recente, tendo surgido com a descoberta do hormônio osteocalcina.

E só agora estão sendo lançadas as primeiras luzes sobre o papel desse hormônio e como ele funciona.

Osteocalcina

A equipe do professor Ferron acaba de demonstrar que, graças à osteocalcina, um hormônio produzido pelas células ósseas, o açúcar é metabolizado com mais facilidade.

Como é possível interferir nesse processo, o pesquisador espera que essa descoberta possa abrir as portas para novas formas de prevenir doenças metabólicas, incluindo a diabetes tipo 2 e a obesidade.

"Uma das funções da osteocalcina é aumentar a produção de insulina, o que, por sua vez, reduz os níveis de glicose no sangue," explicou Ferron. "Ele também pode nos proteger da obesidade ao aumentar o gasto de energia".

Tesoura hormonal

A osteocalcina é produzida pelos osteoblastos, as mesmas células responsáveis pela construção dos nossos ossos.

Os osteoblastos produzem a osteocalcina em uma forma inativa, o que faz com que o hormônio se acumule no osso.

O que a equipe descobriu é que sua ativação é feita por uma enzima, chamada furina, que funciona como uma tesoura molecular, cortando uma parte da molécula. Após o corte, a osteocalcina é liberada na corrente sanguínea.

"Nós demonstramos que, quando não há furina nas células ósseas, a osteocalcina inativa se acumula e acaba sendo liberada, mas isso leva a um aumento nos níveis de glicose no sangue e a uma redução no gasto de energia e na produção de insulina," disse Ferron.

Eliminar essas "tesouras moleculares" também teve um efeito inesperado: a redução do apetite dos animais de laboratório. "Estamos confiantes de que a ausência de furina foi a causa", disse Ferron. "A seguir, esperamos determinar se a furina interage com outra proteína envolvida na regulação do apetite".


Ver mais notícias sobre os temas:

Ossos e Articulações

Alimentação e Nutrição

Cérebro

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.